Frente da UPA de Caxias virou criadouro propício a proliferação do Aedes aegypti em tempos de pandemia.

Foto | Reprodução


Diário de Caxias - O período de chuvas é o mais propício à proliferação do mosquito Aedes aegypti, e consequentemente é a época de maior risco de infecção por essas doenças. A recomendação é não descuidar nenhum dia do ano e manter todas as posturas possíveis em ação para prevenir possíveis focos.

Mas não é isso que está acontecendo em frente a UPA de Caxias, o local destinado a receber pacientes com Covid-19. Em tempos de pandemia, a frente da unidade virou um reservatório de água e lama, um verdadeiro criadouro do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya.

O registro foi feito por um cidadão que parou para fazer as gravações e denunciar o descaso. As poças de lama tomaram de conta da frente da unidade, que fica ao lado da Secretaria de Infraestrutura do Município.



Postar um comentário

0 Comentários