BOMBA | Áudios da presidente da CIPA sugerem suposta contaminação de pacientes e funcionários por Covid-19 no Complexo Hospitalar Gentil Filho.

Foto | Divulgação


Diário de Caxias - Uma suposta falha, pode ter levado ao caos a gestão na saúde pública de Caxias. Os áudios que inundaram grupos de Whatsapp, causaram pânico e terror a funcionários e a pacientes que estão internados no Complexo Hospitalar Gentil Filho.

O motivo de tanto temor, seria a suposta estadia de uma paciente infectada pela Covid-19 nas dependências do prédio. Após dias internada, apresentando sintomas sugestivos, finalmente resolveram fazer o teste rápido para Covid-19, e para o temor de todos, deu positivo.

O resultado caiu como uma bomba, sobre a cabeça de quem esteve em contato direto com a suposta paciente, e o pior, mesmo apresentando alguns sintomas, sequer isolaram a paciente, que teria ficado com os demais pacientes na Ala C, parte antiga do HGM. A paciente só teria sido levada a uma área de isolamento, após o resultado positivo e depois de quase 24 horas, fora levada para a UPA, que segundo Fábio Gentil, é o centro de referência para tratamento do Covid-19.

Antes de mais nada, vale ressaltar que a voz nos áudios divulgados é da presidente da comissão interna de prevenção de acidentes CIPA do Complexo Hospital Gentil Filho. Após o caldo ter "derramado", funcionários da UVZ  de Caxias, foram chamados pra tentar minimizar os impactos fazendo a dedetização dos locais por onde a suposta paciente teria passado.

Não bastasse o risco que pacientes teriam sidos expostos, o Diário de Caxias apurou que, pelo menos 5 funcionários, entre técnicos e enfermeiros, teriam sido afastados e estariam em isolamento por também terem testado positivo.

Ainda durante a noite, um médico, identificado por Dr. Pierre, que segundo informações é Diretor Clínico do HGM, fez um vídeo, tentando da uma de bombeiro, mas que em nada convenceu a opinião pública.

O problema é muito mais grave do que se imagina.

Postar um comentário

0 Comentários