Família encontrada morta em Silvanópolis era do Maranhão e estava há 3 meses na cidade.

Foto: Divulgação

A família encontrada morta dentro de casa em Silvanópolis, no estado do Tocantins veio a pouco tempo do Maranhão. Segundo vizinhos, eles estavam morando na cidade a cerca de três meses. Inicialmente o avô, a mãe e as duas crianças supracitadas chegaram no município e mais recentemente a avó se juntou a família. Os corpos foram encontrados na manhã dessa sexta-feira (26).


Ruth Barros Tavares (E) e suas filhas Jasmim Barros Tavares e a pequena Milena Barros Tavares Foto: Divulgação

As vítimas foram identificadas como Livingstone Pereira Tavares, de 65 anos, Francisca Barros Tavares, 59 anos, Ruth Barros Tavares, 27 anos, Milena Barros Tavares, 8 anos e Jasmim Barros Tavares, de 12 anos. Eles são respectivamente marido e mulher, a filha do casal e as duas netas deles.

Livingstone Tavares e sua mulher Francisca Barros – Foto: Divulgação

Segundo a Polícia Militar, os vizinhos perceberam que o homem adentrou em casa nervoso e fechou os portões da residência. Momentos após, ouviram barulhos de alguns disparos vindos de dentro dessa residência, mas não houve acionamento da polícia. O crime teria ocorrido na madrugada de quinta-feira (25).

A PM só foi chamada na manhã desta sexta-feira após um vizinho de identidade avistou pelo portão sangue escorrido por debaixo da porta frontal do imóvel. A suspeita é de que o homem tenha executado a esposa dele, a filha e as duas netas e depois tirado a própria vida.

A PM informou ainda que o revólver utilizado nos assassinatos tinha a numeração raspada. A arma foi encontrada ao lado do avô.

O delegado Wagner Siqueira, responsável pelo inquérito, disse nesta sexta-feira que tem duas linhas de investigação para o crime. Segundo ele, as evidências iniciais apontam que o avô matou os familiares e depois tirou a própria vida, mas também pode haver outros envolvidos.

Pelo que foi apurado ali preliminarmente, se trata de múltiplos homicídios seguidos de um suicídio. Agora, essa hipótese vai ser comprovada ou não durante a investigação. Não descartamos também uma sexta pessoa na cena do crime, informou ele.

Os corpos seguem no Instituto Médico Legal (IML) de Porto Nacional às 17h desta sexta-feira (26). Ainda não há informações sobre o velório ou o enterro.

Fonte: Sou mais notícia.

Postar um comentário

0 Comentários